Quem sou eu

Minha foto
Esposa, mãe, professora, artesã. Apaixonada por tudo o que faz. Amante da música, de um bom livro, de estar com a família e amigos. Simples não? Isso é viver!

Pesquisar este blog

22 fevereiro 2013

Desapego II - a saga continua


Realmente esse tema me interessou muito por algumas razões: primeiro porque nunca gostei de acumular coisas... moramos em espaços pequenos e temos de decidir em oferecer espaços para nós mesmos ou para coisa que acumulamos, muitas das vezes sem serventia nenhuma para nós ou, se tem alguma serventia, mas que é dispensável, ficamos apegadas àquilo que, talvez, ficaríamos melhor sem.
Fiz essa introdução para contar um pequeno episódio que me valeu muito como experiência de vida.
Eu tinha uma cômoda de estilo Shabby chic rústico que eu amava. Ficava no meu quarto com meus cosméticos e minhas caixas de bijouteiras, embaixo de um espelho de madeira maciça muito bonito.
Ela também era de madeira maciça em parte. Digo em parte porque as partes não-aparentes, como fundo e tampo eram revestidas com madeira nobre, mas o recheio havia sido feito com madeira branca.
Diante desse quadro pouco nobre o cupim atacou e atacou feio. Tentei de todas as maneiras combater a praga, mas ela foi mais forte e detonou a cômoda. Não satisfeitos com a peça os cupins atacaram meus armários de quarto, minhas portas e tudo de madeira que viam pela frente. A devastação foi tamanha que resolvi fazer uma reforma no apartamento e resolvi botar tudo fora, literalmente, inclusive a cômoda-xodó. Pedi aos pedreiros da obra que a levassem para baixo e colocassem-na na minha garagem até ver o que fazer com ela.
 Foi ai, nesse ponto da história, que o desapego começou: minha amiga e vizinha, Elisa, arquiteta de Casa Cor, viu o potencial da desprezada e me pediu para ficar com ela. Consenti, não sem antes lhe avisar do poder destruidor dos famigerados cupins, ao que ela retrucou ter uma fórmula mágica para combatê-los, e foi explicando, explicando e  eu não mais a ouvia, porque meu coração estava lá, com certeza, em alguma daquelas gavetas.
Passados alguns dias, encontrando-me de novo com ela na garagem,  vem ela me falar da epopéia da restauração da cômoda e de como havia ficado bonita em sua sala.
Havia tirado todo o tampo comido de cupim, trocado o fundo, lixado, e, simplesmente, aplicado óleo de Peroba, já que a madeira por si só, crua, já era bonita. No tampo colocou um mármore de Carrara, o que deu uma imponência à peça...
NEM PARECE A MESMA, falou, VÁ LÁ VER COMO FICOU CHIQUE A MINHA SALA.
Grunhi qualquer coisa, quase morrendo por dentro, despedi-me dela, entrei no carro já mortificada.
Ia me encontrar com minha filha mais velha e ao toparmos contei a ela o acontecido e foi ai que o desapego, realmente, aconteceu. Foi na fala sábia de minha filha que, não só me esqueci da cômoda  como, juro por Deus,  fiquei satisfeita de minha cômoda, agora, enfeitar a sala de minha amiga arquiteta. Minha filha me disse:
-- Mamãe, esqueça a cômoda! Há um tempo para cada coisa! Seu tempo com a cômoda terminou, agora começa o tempo dela com a Elisa.
Foi como se eu estivesse sentindo muita dor e tivesse tomado morfina naquele momento.

20 comentários:

  1. Olá Marina!!!
    Você simplesmente não existe! Amo a maneira que escreve, tua descrição foi tao perfeita que me senti vivenciando teu desapego!!
    Parabéns querida e obrigada por abraçar nosso projeto!
    Tenha uma noite abençoada!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Obrigada a vc e a todas pelo carinho para comigo.

      Excluir
  3. Você é um encanto flor está de parabéns tenha uma bela e iluminada noite

    Beijokas da Danzoka

    ResponderExcluir
  4. Oi querida,

    Ficou linda a sua postagem..
    O legal que você descrevi tao bem que realmente parece que estamos presente.

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É essa a intenção do escritor Sabrina... fico feliz que eu tenha alcançado o objetivo de escritora sem sê-lo.

      Excluir
  5. Olá querida, bom dia.

    Amei seu texto, maravilhoso. Maravilha de postagem.

    Beijinh♥ carinhoso
    RaqueL fraga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Raquel... sempre gostei de escrever.

      Excluir
  6. Belíssima e original história de como comumente colocamos nosso coração em "gavetas" dominadas pelos 'cupins', que vorazmente as consome, nos surpreendendo algum dia com algo que nada mais tenha a não ser "casca" e poeira.
    Dr. Angelo Gaiarça, chamaria esse processo pelo qual passou de "Renascimento" e nascer ou renascer, envolve dor., resta estarmos preparados para essa 'dor' que restaura e cura.

    Parabéns! Sensacional!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda a sua frase inicial... toquei vc também com minha história porque vc foi poetida na resposta.

      Excluir
  7. Marina... A cada palavra fui visualizando as cenas! Muito boa sua postagem!!!
    Bjkas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dizem que quem escreve não sabe para quem escreve... isto quer dizer que o leitor nem sempre é tocado pela leitura porque o escritor não escreve para alguém em particular... se meu texto te tocou, fez vc viajar na imaginação é porque produziu o efeito esperado desta que escreveu. Legal, muito legal mesmo.

      Excluir
  8. OLÁ, AMIGA!VERDADE SIGLEA EU TAMBÉM AMO OQUE MARINA ESCREVE ME FAZ VIAJAR. JÁ PENSOU EM ESCREVER CONTOS? BEIJOS E ATÉ!!!

    ResponderExcluir
  9. muito boa postagem parabens bjssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  10. Olá marina muito boa sua postagem! Parabéns!
    Bjos no coração!

    ResponderExcluir